Economia Circular, um novo jeito de criar valor

Plurale – Coluna Via Sustentável

Por Nelson Tucci, Colunista do Portal Acionista e de Plurale

Crescimento econômico não significa uso indiscriminado de recursos naturais e descarte puro e simples de produtos recém-utilizados. Essa prática já ficou pra trás faz um tempo. Hoje, ao contrário, o novo conceito de reutilização de materiais, recuperação e reciclagem está sendo mais e mais difundido, para começarmos a resolver certos gargalos de consumo e preservação de recursos. Diferentemente da economia linear, a percepção da economia circular avança, pois, além de promover a conscientização, este novo jeito de se fazer as coisas vai fundo no processo, mostrando inclusive que é possível agregar valor ao re ciclado – reaproveitando-o em produtos mais nobres e não apenas naqueles populares de baixo valor.

E para dar um impulso na economia circular nasce o Centro Brasileiro de Economia Circular, a partir de uma parceria entre o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e a start up Exchange 4 Change Brasil (E4CB). Com sede em São Paulo, a iniciativa já brota com acordos internacionais, objetivando a troca de conhecimento entre toda a América Latina, Europa e África. O CBIEC (cujo nome completo é Centro Brasileiro de Inovação em Economia Circular) está estruturado para facilitar o acesso a recursos tecnológicos, bem como para fomentar a implantação da economia circular nas cadeias produtivas, atraindo investimentos.

O presidente do Laboratório Colaborativo para a Economia Circular (CECOLAB), de Portugal, compartilha os objetivos trazidos pela parceria com o CBIEC: “A economia circular oferece oportunidade para estimular a inovação e tornar a transição mais justa, criando empregos verdes e reduzindo os impactos ambientais. Nesta carta de colaboração mútua, nós nos comprometemos a reunir as experiências individuais de cada organização e redes locais de especialistas, para criar um ecossistema forte, qualificado e preparado para desenvolver projetos conjuntos, organizar seminários de intercâmbio de conhecimento e apoiar debates internacionais”. Já a eslovena Ladeja Go dina, fundadora da Circular Change e co-chair da European Circular Economy Stakeholder Platform, e que será uma das conselheiras internacionais do Centro, mostra-se empolgada em trabalhar alinhada com o Brasil: “Inspirados pelo que aconteceu, em 2016, com o Holland Circular Hotspot, nós estamos conectando todos os pontos globalmente. É incrível ver o desenvolvimento da economia circular no Brasil, principalmente por meio de iniciativas como o Centro Brasileiro de Inovação em Economia Circular, e estamos felizes em contribuir com a troca de conhecimento para qualificar ainda mais a transição circular no país e em toda a América Latina”, disse.

Segundo estimativas do Fórum Econômico Mundial, a economia circular representa uma oportunidade de crescimento global da ordem de US$ 4,5 trilhões, até o ano de 2030. É um modelo relevante no enfrentamento das mudanças climáticas, contribuindo, assim, para se alcançar as metas do Acordo de Paris, além de possibilitar soluções práticas e multiplicadoras de negócios.
“Ainda existe um pensamento que a matéria-prima reciclada tem de ser mais barata, porque vem do lixo e, com isso, acabamos aplicando-a em produtos baratos e de baixa qualidade. A economia circular muda esta crença e dá visibilidade a todos atores da cadeia, principalmente o reciclador que é quem vai transformar o resíduo em matéria-prima e iniciar um novo ciclo produtivo”, pontua Beatriz Luz, fundadora da E4CBe diretora do Hub-EC. E completa: “Está na hora do mercado entender que a matéria-prima reciclada carrega uma proposta de valor adicional, por evitar a geração de resíduo e a poluição do meio ambiente, sendo necessários investimentos para gerar produtos com design e performance. Sem esta visão, a conta da reciclagem não fecha”.

O suporte administrativo será dado pela Fundação de Apoio à Pesquisa do IPT (FIPT), que administrará os recursos captados, repassando-os a fundadores e parceiros do Centro para a execução dos projetos. O CBIC terá Cláudia Teixeira (diretora de Inovação do IPT) como Head do Comitê Executivo e será oficialmente lançado neste dia 9, quarta-feira próxima.

Da esquerda para a direita: Beatriz Luz, Diretora Executiva da E4CB e lider do Hub de Economia Circular e Claudia Echevengua Teixeira, Diretora de Inovação do IPT.